terça-feira, 2 de outubro de 2012

BACURAU-CHINTÃ - Hydropsalis parvula (Little Nightjar)

BACURAU-CHINTÃ - Nome em Inglês: Little Nightjar - Nome Científico: Hydropsalis parvula


Esta é uma ave CAPRIMULGIFORME da família CAPRIMULGIDAE.
É uma espécie de bacurau que habita da Venezuela à Bolívia, bem como a Argentina e o Brasil. Tais aves medem cerca de 20 cm de comprimento, possuindo coloração escura, garganta com manchas negras e brancas, asas com largas faixas brancas, e cauda com extremidade branca. As fêmeas, no entanto, são totalmente escuras. Também é conhecido pelo nome de bacurau-pequeno.

Comum em campos com árvores e arbustos. É uma ave de hábitos noturno e vive no chão, descansando durante o dia sob arbustos. Pousa sobre troncos para cantar.


O nome bacurau é utilizado para designar diversas coisas, como o filho de idade tenra ou os filhos, como na frase "preciso faturar. Lá em casa tenho três bacuraus pra criar". Outro emprego é como apelido, geralmente dado a pessoas franzinas que utilizam topete.




O bacurau é uma ave que tem várias lendas a seu respeito, abaixo segue uma delas:

 Bacurau Escritor
  
Reza a lenda que muito antes de Pedro Álvares Cabral descobrir o Brasil, os fenícios já visitaram o nosso país. Uma vez uma embarcação fenícia desembarcou em terras brasileiras e dentre eles havia um escriba, que viva escrevendo em rochas e em pergaminhos. Um certo dia, este rapaz se perdeu na mata e foi para numa tribo indígena. Chegando lá ele foi confundido com uma espécie de Deus-Pássaro, então os índios vestiram este homem branco com uma roupa coberta de penas. Assim Tupã se zangou e transformou o escriba em um pássaro que foi batizado de bacurau.  Como apesar de tantos acontecimentos, o escriba não parava de fazer anotações em seu pergaminho, surgiu o ditado: - É dizendo e bacurau escrevendo! Séculos se passaram e o escriba continuou em forma de bacurau. Mas na época do Brasil-Colônia este pássaro viu uma moça galopando em seu cavalo e se apaixonou por ela. Desta maneira ele decidiu segui-la. De repente, o cavalo ficou maluco e saltou no rio cheio. Mesmo assim o animal e sua dona chegaram vivos, porém desacordados do outro lado do rio com a sela toda esfolada. Assim o bacurau resolveu consertar a sela e colocou algumas penas suas dispostas entre a manta e a sela. Desta maneira quando as vítimas acordaram nunca mais tiveram problemas nas viagens. Por isto é que existe uma lenda dizendo que as penas do bacurau entre a manta e a sela fazem com que o cavalo não caia e nem salte em rio cheio.
  (Luciana do Rocio Mallon)



NOTA TÉCNICA:

De acordo com o site wikiaves.com.br, Caprimulgiformes é uma ordem de aves que inclui os bacurais e mães-da-lua. Estão representados em todos os continentes, exceto na Nova Zelândia, regiões polares e maioria das ilhas oceânicas. A maior diversidade do grupo encontra-se em regiões tropicais e semi-tropicais. São aves exclusivamente noturnas e alimentam-se exclusivamente de insetos, que caçam durante o voo, e representam um papel importante no controle das populações das suas presas. O nome da ordem deriva do Latim e significa "sugador de cabras", devido à uma concepção errada de seus hábitos alimentares.

Eu estava chegando na Fundação de Turismo de MS para uma reunião no período da tarde. o prédio da Fundação fica dentro da área do Parque das Nações Indígenas ao lado do Parque Estadual do Prosa. Antes havia chovido e quando cheguei no Portal Guarani, olhei para o lado e vi, pousada na grade da cerca do parque esse bacurau-chintã. Parecia não ter cabeça, cheguei bem  perto ver se conhecia a especie e comecei a fotografá-la. Ela fazia pequenos voos e eu a acompanhava fotografando.



"A Natureza é repleta de belezas que encantam as pessoas que nela prestam atenção!" 

©Geancarlo Merighi



Fonte das informações técnicas:

Fonte da Lenda do Bacurau Escritor:


Nenhum comentário:

Postar um comentário